Diego e Arnaldo – Empreitada Perigosa – Faca que Não Corta – Pagode – A Coisa tá Feia

Diego e Arnaldo - Empreitada Perigosa - Faca que Não Corta - Pagode - A Coisa tá Feia

Diego e Arnaldo – Empreitada Perigosa – Faca que Não Corta – Pagode – A Coisa tá Feia

Letra:

Já derrubamos o mato
Terminou a derrubada
Agora prest e atenção
Meus amigo e camarada

Não posso levar vocês
Na minha nova empreitada
Vou pagar tudo que devo
E sair de madrugada

Eu vou roubar uma moça
De um ninho de serpente
Ela quer casar comigo
A família não consente

Já me mandaram um recado
“Tão” armado até os dentes
Vai chover balas no mundo
Se nós topar frente a frente

Viola que não presta, faca que não corta
Se eu perder, pouco me importa

O cabo da minha enxada era um cabo bacana
Não era de Guatambú era de Cana Caiana
Um dia la na roça me deu sede toda hora
Chupei o cabo da enxada e joguei a enxada fora

Enxada que não presta, faca que não corta
Se eu perder, pouco me importa

Peguei um dinheiro, emprestei pra um camarada
O sujeitinho sumiu, nem dinheiro, nem mais nada
Dinheiro emprestado, é um grande perigo
A gente perde o dinheiro e também perde o amigo

Amigo que não presta, faca que não corta
Se eu perder, pouco me importa

Canto moda dos amigos, pro meu gasto eu também faço
Na viola eu tenho o desembaraço
É coisa que eu acho feio violeiro querer abater
Mas não fazem moda, mandam eu fazer

Eu fui na feira com dois tostão
Eu comprei arroz eu comprei feijão
Comprei açúcar comprei canela comprei
Um chicote pra bater nela

Vou fazer um vestido pra mulherada
O modelo é bão e não custa nada..
Na parte da frente pano não tem
Na parte de trás é assim também

Burro que fugiu do laço tá de baixo da roseta
Quem fugiu de canivete foi topar com baioneta
Já está no cabo da enxada quem pegava na caneta
Quem tinha mãozinha fina foi parar na picareta
Já tem doutor na pedreira dando duro na marreta
A coisa tá feia, a coisa ta preta…
Quem não for filho de Deus, tá na unha do capeta